MÉTODO MCKENZIE

O que é? como surgiu?

 

O método surgiu na Nova Zelândia, desenvolvido por Robin McKenzie. E ao contrário do que muitos pensam, o Método McKenzie® não se resume a exercícios de extensão. Na verdade, McKenzie é um método de diagnóstico e terapia mecânica abrangente da coluna e articulações periféricas. O mesmo é baseado na resposta funcional e sintomática a estratégias de cargas mecânicas. Sendo o principal componente terapêutico a educação do paciente, de forma a habilita-lo ao autotratamento com uso movimentos repetidos ou posturas mantidas.

 

Como funciona?

 

            Exclusiva do Método McKenzie®, a avaliação mecânica é um algorítimo bem definido que leva a uma classificação simples de distúrbios relacionados com a coluna e extremidades. Ela se baseia em uma relação consistente de causa e efeito verificada, tanto a partir da história do comportamento da dor, quanto da resposta da dor ao teste de movimentos repetidos e posições mantidas. Aplicando uma progressão sistemática de forças mecânicas (causa), o fisioterapeuta utiliza a resposta da dor (efeito) para monitorar as mudanças no movimento e na função. O distúrbio subjacente pode então ser identificado rapidamente através dos achados objetivos do exame de cada paciente.

            

O Diagnóstico Mecânico de McKenzie, determinado a partir da avaliação, classifica os pacientes com apresentações mecânicas similares em subgrupos bem definidos (síndromes) para determinar o tratamento adequado. McKenzie identificou três síndromes mecânicas a que chamou: Síndrome de Desarranjo, Síndrome de Disfunção e Síndrome Postural.

 

  • Síndrome de Desarranjo - deformação mecânica causada por ruptura anatômica ou deslocamento dentro do segmento do movimento e resultando em dor e limitação funcional

 

  • Síndrome de Disfunção - deformação mecânica de tecidos moles limitados estruturalmente (cicatriz, fibrose, aderência, encurtamento adaptativo) causando dor e limitação funcional

 

  • Síndrome Postural - deformação mecânica de tecidos moles normais causada por stress postural prolongado e resultando em dor

 

 

            Essas três síndromes mecânicas são observadas nas regiões lombar, torácica e cervical da coluna, bem como nas extremidades.

 

            A abordagem McKenzie enfatiza a educação e o envolvimento ativo do paciente. O componente educacional dá ao paciente informação sobre o seu problema, de acordo com suas preocupações e necessidades; e sobre o papel que o exercício tem na restauração da função normal. No componente de terapia mecânica ativa, ensina-se ao paciente como fazer os exercícios específicos, as posições e as correções da postura estática e dinâmica que se mostraram, durante a avaliação mecânica, como tendo efeito terapêutico direto. Os pacientes também aprendem a evitar, durante o tratamento, os movimentos, posturas e atividades que claramente pioram a sua condição.

 

            A maioria dos pacientes, quando bem orientada sobre seu problema, pode se tratar com sucesso. Para problemas mais complexos, o autotratamento pode não ser suficiente. Nesse caso, o fisioterapeuta treinado no Método McKenzie® aplica técnicas complementares de terapia manual (mobilização e manipulação) para acelerar o processo de recuperação.

 

VANTAGENS DE SE USAR O MÉTODO McKENZIE®

 

     Pode ser aplicado nos estágios agudo, sub-agudo e crônico de um problema músculo-esquelético.

   Adequado para uma ampla variedade de problemas mecânicos, tanto da coluna (discogênicos ou não-discogênicos), quanto das articulações periféricas.

     Permite identificar precocemente aqueles pacientes que respodem rápido ao tratamento mecânico conservador, os que respondem devagar e os que não respondem ao tratamento e por isso necessitam de outra abordagem terapêutica.

    Identifica aqueles pacientes que podem ser orientados e se tornar independentes (70%) e aqueles que necessitarão de técnicas manuais do fisioterapeuta (30%).

     Educa, estimula e capacita os pacientes a usarem suas habilidades de autotratamento para controlar e resolver os seus sintomas atuais e reduzir a reincidência e a gravidade de possíveis futuras crises.

      Assegura que o paciente receba um tratamento rápido, eficaz e de baixo custo, o que faz com que seja cada vez mais procurado por pacientes e indicado por médicos, em todo o mundo.

 

 

Indicações:

 

Distúrbios da coluna vertebral (hérnia de disco, compressões nervosas, estreitamento de canal, Osteoartrose)

Cefaléias e enxaquecas

Condromalácia e Osteoartrose de joelhos e quadril

Bursites e tendinopatias

Pós operatórios ortopédicos em geral

Síndrome do túnel do carpo, LER e DORT

Síndromes miofasciais

DTM